← Voltar

LITERATURA

Juiz Abílio Wolney é empossado como membro da Academia de Letras do Brasil


Facebook Twitter Imprimir

Compartilhar no Telegram
Juiz Abílio Wolney é cumprimentado pelo ingresso na Academia de Letras do Brasil. Foto: Arquivo pessoal.

Juiz Abílio Wolney é cumprimentado pelo ingresso na Academia de Letras do Brasil. Foto: Arquivo pessoal.

Magistrado, que atua em Goiânia, tem dez obras publicadas em áreas como Direito e História

O juiz e escritor Abílio Wolney Aires Brito foi empossado, nesta terça-feira (11), pela Academia de Letras do Brasil – seccional de Anápolis (Alba) como membro-fundador daquela entidade, para ocupar a cadeira nº 3, que tem como patrono seu avô, Abílio Wolney. A cerimônia de posse do magistrado ocorreu no auditório do Instituto Federal de Goiás (IFG), em Anápolis, e teve participação de autoridades dos meios acadêmico e político local. Outros 30 escritores foram empossados também como membros-fundadores da Alba.

Durante a solenidade, o presidente nacional da entidade, escritor Mário Carabajal, transferiu o cargo simbolicamente à Abílio Wolney, que discursou em nome dos acadêmicos de Anápolis. O ato foi acompanhado pela secretária da Alba, professora Ridamar Batista. “É uma oportunidade de integrar a literatura de Anápolis à essa academia de plataforma nacional, que tem proposta de inclusão democrática de escritores regionais e maior visibilidade no meio acadêmico”, comenta Abílio Wolney.

Além do magistrado, tomou posse como membro-fundador da Alba o servidor do Poder Judiciário de Goiás Zilmar Wolney Aires Filho, irmão de Abílio Wolney. Zilmar, que é professor universitário, ocupará a cadeira nº 40 da academia literária, cujo patrono é o escritor Amador Abdala. No evento da Alba também foi lançada a coletânea Albergue dos Poetas, organizada por Ridamar Batista.

Produção literária

Juiz titular da 9ª Vara Civel de Goiânia e professor universitário, Abílio Wolney é autor de dez obras de cunho científico, histórico e poético. A produção literária do magistrado inclui os livros Princípios Constitucionais; Juizados, Arbitragem e Mediação; No Tribunal da História; O Duro e a Intervenção Federal – Relatório ao Ministério da Guerra; O Barulho e os Mártires; O Diário de Abílio Wolney; Movimento Comunista Liga Camponesa, 1962; A Chacina Oficial; Memórias de João Rodrigues Leal; e Um Homem Além do Seu Tempo.

Fonte: Assessoria de Comunicação da ASMEGO


Assuntos Relacionados: , ,